Internet banda larga poderá ficar mais caro no brasil

Internet banda larga poderá ficar mais caro no brasil, sabemos que as empresas de telecomunicações para manterem os seus serviços de tv e internet ativos repassam as altas taxas de impostos para o consumidor, que por sua vez, acabam arcando com os custos para continuarem utilizando os serviços de tv e internet diariamente.

Não bastasse isso, o serviço de conexão banda larga poderá sofrer um reajuste de preço devido a uma ação que será julgada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que poderá resultar na anulação do chamado DIREITO DE PASSAGEM GRATUITO das empresas de telecomunicação de todo o país, o que consequentemente irá pesar no bolso do consumidor final.

Esse DIREITO DE PASSAGEM GRATUITO é um dos benefícios da Lei Geral de Atenas (13.116/2015) que dá direito as empresas de telecomunicações a fazerem qualquer tipo de serviço de instalação móvel em propriedade alheia. O que tornava um preço mais acessível para todas as pessoas que possuem um contrato de Conexão banda larga.

Internet banda larga têm sido colocadas em jogo até o momento

A manutenção da gratuidade ou a transferência para um modelo em que as empresas de telecomunicações terão que pagar uma taxa devido ao aumento de sua infraestrutura. No entanto, caso a decisão final seja a favor da Procuradoria-Geral da República (PGR), os preços de internet banda larga irá sofrer alterações e serão repassados para o consumidor final que já pagam inúmeras taxa para manterem os seus serviços ativos.

Essa decisão também pode afetar diretamente em regiões mais precárias que estariam prestes a receber um sistema mais moderno ou implementação primária de internet, já que esses pequenos munícipios não são lucrativos e podem acarretar em prejuízos para as empresas de telecomunicações, o que faz com que inúmeras pessoas ainda fiquem não tenham nenhum tipo de acesso à internet.

Sabe-se também que, a maioria das entidades ligadas a TELECOM são contra a anulação do DIREITO DE PASSAGEM GRATUITO e por esse motivo as empresas decidiram se unir para tentar reverter essa situação, são elas: ABRINT, CONEXIS BRASIL DIGITAL, ABRINTEL, ASSOCIAÇÃO NEO, CONTIC, FEBRATEL, FANINGO, FENINFRA, que optam por manter o direito de passagem gratuito para que as mesmas continuem mantendo os serviços de inclusão digital a todo o território brasileiro e para que o País continue com o seu desenvolvimento Socioeconômico, que com a chegada da pandemia, ficou evidente que muitos serviços passaram a ser comercializados pelo meio digital que são mantidas pelas empresas de telecomunicações mesmo nas regiões mais vulneráveis e que a revogação do direito de passagem gratuito irá impactar diretamente na vida de milhares de pessoas que necessitam da internet no seu dia a dia, seja para estudar, trabalhar ou fazer qualquer tipo de serviço que necessita de conexão com a internet.

Esse direito de passagem gratuito sendo revogado será péssimo para as empresas que irão precisar paralisar investimentos em diversas regiões, além de prejudicar o avanço de novas tecnologias.

Lembrando também que o Brasil está em planejamento para trocar todo o cabeamento de cobre para fibra até dezembro de 2024 e também a implementação da internet 5G que vem sendo colocada em pauta nos últimos meses.

Dessa forma, é fundamental que seja mantido o direito de passagem gratuita para as empresas de telecomunicações, pois assim, internet de qualidade chegará para mais pessoas e os avanços tecnológicos continuarão sendo especulados para chegarem a todo o território nacional e no fina das contas, nenhum consumidor terá que pagar taxas a mais para continuarem mantendo o seu pacote mensal de tv e internet ativo.